Rebentos Saudáveis

Mais do que uma moda, a ecopuericultura é um estilo de vida que começa no útero. Alimentação, cosméticos e brinquedos amigos do ambiente e dos bebés é um sonho para os pais que já é realidade em Portugal.

Quem não quer o melhor para o seu bebé? Sabendo desta verdade insofismável, Rita Rosa e David Rodrigues, dois sócios de negócio e de vida que se conheceram nos meandros da saúde, onde se formaram, fizeram nascer o seu primeiro Rebento: uma loja online de produtos ecológicos e biológicos de puericultura leve que responde às diferentes necessidades desde a gravidez até aos primeiros anos de vida da criança.

Como em qualquer nascimento, o projeto teve o seu tempo de gestação e está ainda nos primeiros passos, mas com grande confiança no futuro. “Sentimos que era preciso alguma coisa para fazer face à falta de soluções naturais que ajudem e respeitem cada fase da vida do bebé, desde o útero”, explica Rita Rosa. “Mais do que uma viagem pelo mundo da puericultura, tentamos sempre melhorar os nossos hábitos, procurar soluções mais saudáveis e ecológicas para o dia a dia como seres humanos”, desvenda.

O caminho foi, por isso, tão natural como os produtos que comercializam. E em que se distingue a loja do casal, que vive no Algarve, das restantes lojas de puericultura? A resposta está na ponta da língua: “Tentamos que todos os produtos que escolhemos constituam um bem essencial na vida do bebé e dos pais. Que sejam feitos de materiais 100% naturais e biológicos, produzidos de forma justa e sustentável e que sejam ecológicos”, descreve a empresária.

E ressalva: “É muito importante que cada artigo vá ajudar o dia a dia da nova família, mas é igualmente importante que antes de chegar à mesma tenha também ajudado outra família pelo caminho, durante o seu processo de fabrico.”

Moda? Não, um modo de vida

E não será a ecopuericultura uma moda? “Esperemos que não seja só uma moda”, apressa-se a dizer. “É um cuidado e consciência que chegou mais tarde a Portugal, mas há muitos anos que existem pais a procurar soluções naturais para os seus rebentos”, defende.

“Acreditamos que num futuro bem próximo um estilo de vida saudável seja uma forma de estar, um estilo de vida, mais do que uma moda”, prossegue, até porque, sustenta: “Fazer uma escolha responsável, ecológica e saudável todos os dias revela muito do caráter, postura e perspetiva de vida de um indivíduo.”

Para além das convicções pessoais, Rita Rosa tem a experiência empresarial que lhe permite confiar no crescimento da loja, que já vende para todo o país, ilhas também, e está agora a pensar dar o passo da internacionalização. É que, diz, há cada vez mais famílias preocupadas com o que toca na pele do bebé, com o que comem e com que materiais brincam. “Sentimos essa preocupação nos pais que nos contactam, nos amigos, famílias e clientes com quem lidamos”, assegura. “Os clientes são pais muito preocupados e que procuram as soluções mais seguras e saudáveis para o desenvolvimento dos seus pequenos”, complementa.

Mas, mais do que isso: “Quando os pais nos contactam, a preocupação não é se o artigo é de uma marca conhecida, mas sim se é o melhor para a necessidade que têm e para o seu bebé.”

Por isso a empresária volta atrás para garantir que não se trata de modas, nem nunca o poderia ser. “No caso de produtos naturais e ecológicos, não há como a sua compra ser passageira, pois é o futuro do planeta e o nosso que estão em jogo”, sentencia.

E depois há as questões de saúde, e já há muitos profissionais a recomendar produtos de cosmética naturais. “Infelizmente, há cada vez mais recém-nascidos a nascerem com patologias cutâneas, como eczema atópico e alergias”, sublinha. “Os produtos naturais são mais suaves e têm sido a mais valia nestes casos”, enaltece

Certezas que só quem experimenta passa a ter também. Por isso os responsáveis da Rebento ficam em ânsias para saber o que têm os bebés a dizer. “O facto de sermos uma loja online dificulta muitas vezes um contacto mais próximo com as famílias”, reconhece. “Quando enviamos uma encomenda, ficamos sempre ansiosos pelo feedback, para saber se gostaram, se o bebé se sentiu bem”, diz. E quando o telefonema chega, garante que o dia está ganho.

“Os testemunhos que temos são sempre muito positivos e emocionantes, principalmente quando toca o alívio de algum sintoma, desconforto ou rotina”, revela.

“São casos de quem usa um creme biológico para as assaduras do bebé ou para a recuperação pós-parto ou amamentação, de quem opta pelas papas biológicas (sem glúten, açúcar ou lactose) e também de quem opta pelo biberão Yoomi, que aquece sozinho o leite do bebé à temperatura do leite materno”, exemplifica.

“As pessoas ficam-nos muito agradecidas, e isso é tão gratificante”, resume.

Para já ainda é um nicho de mercado

Ainda assim, há uma barreira chamada preço. “O valor de um produto proveniente de comércio justo e feito com materiais naturais difere de um produto convencional e é tendencialmente mais alto que os convencionais produzidos em larga escala com materiais de baixo custo e com mão-de-obra abaixo do mínimo aceitável”, reconhece Rita Rosa.

“Como poderia não ser? A verdade é que habitualmente também são artigos de maior duração ou com um ciclo de vida e utilização mais inteligente e sustentável.” E exemplifica: “As nozes de saponária são uma solução natural de limpeza, ecológica e biodegradável, e é mais acessível que os detergentes convencionais.”

Apesar dos custos associados, a Rebento não acredita que isso seja um impedimento para o crescimento. “Desde o início que trabalhamos para um nicho específico de público, pessoas mais conscientes e preocupadas.” A empresária acredita, porém, que no futuro as coisas se irão inverter.

“A exceção deveria ser feita ao artigo que adquirimos e que não respeita a nossa saúde nem o ambiente que nos rodeia.”

Até lá, há um longo caminho a percorrer, por vezes com obstáculos.

“Deparámo-nos com muitas barreiras burocráticas face à introdução em Portugal de determinados artigos e marcas que viriam colmatar muitas necessidades, especialmente a nível alimentar”, lamenta. “Ainda hoje não as conseguimos trazer para o mercado nacional, mas contamos fazê-lo assim que possível e tentar, entretanto, substitui-las por opções igualmente boas.”

Por isso, quando confrontada com a pergunta sobre a escolha de marcas comercializadas, revela que “é uma viagem que ainda decorre”. Uma das apostas é, ainda assim, a certificação. “É um elemento essencial e decisivo, pois é a melhor garantia que podemos dar aos pais da qualidade dos produtos”, justifica. E sintetiza: “O mundo dos ‘produtos naturais’ ainda é um pouco tabu e alvo de muitas críticas, a certificação ajuda a comprovar a eficácia e a qualidade.”

A loja online tem na lista de afazeres e como grande ambição o lançamento da sua própria marca e pretende ainda lançar formações e ajuda aos pais que querem embarcar num estilo de vida mais saudável. “A Rebento é mais do que os produtos”, garante, falando em fase embrionária de um projeto mais amplo.

Publicado por

Artigo originalmente publicado na revista Recicla, número 21. Pode descarregar esta revista clicando aqui.

Deixar um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *