Comércio Justo – Um passo na direção certa

Porquê escolher produtos provenientes de Comércio Justo?

O comércio justo é uma contribuição tangível e real para a luta contra a pobreza, alterações climatéricas e crises económicas globais.

As estatísticas indicam que mais de um bilião de pessoas vive com menos de 1,25€ por dia. O comércio justo deve beneficiar os mais vulneráveis e proporcionar meios de sustento ao desenvolver oportunidades e infra-estruturas melhores para os produtores mais pequenos e em desvantagem.

O comércio justo permite:

  • Transformar as estruturas e práticas de comércio para trabalhar a favor dos mais carenciados e promover um desenvolvimento sustentável e justo.
  • Dar oportunidade aos produtores e comunidades para melhorarem o seu meio de sustento.

Comércio justo é uma troca em parceria, baseada no diálogo, transparência e respeito, que procura mais igualdade no comércio internacional. Contribui para um desenvolvimento sustentável ao oferecer melhores condições de negócio para, e assegurando os direitos de, produtores e trabalhadores marginalizados.

Comércio justo é mais do que um negócio:

  • Comprova que é possível haver trocas justas no mundo.
  • Enfatiza a necessidade de mudar as regras e práticas do comércio convencional, demonstrando que é possível ter-se um negócio de sucesso pondo as pessoas em primeiro lugar.
Comércio Justo

As organizações que produzem de acordo com as normas de comércio justo maximizam o uso de materiais naturais provenientes de matérias-primas sustentáveis. Usam tecnologias de produção que procuram reduzir o consumo de energia e, quando possível, recorrendo a energias renováveis (que reduzem a emissão de gases que aumentem o efeito de estufa).

Têm, ainda, um compromisso muito grande e constante perante a missão que defendem, tendo como principal missão alguns dos seguintes aspetos:

  1. Criar oportunidades para produtores em desvantagem economicamente.
  2. Transparência e responsabilidade.
  3. Práticas justas de negócio.
  4. Pagamentos justos.
  5. Assegurar que não há trabalho forçado ou exploração infantil.
  6. Compromisso com a igualdade de géneros, sem racismo ou descriminação, aumentando o reconhecimento económico da mulher e a liberdade sindical.
  7. Assegurar boas condições de trabalho.
  8. Proporcionar o desenvolvimento de capacidades.
  9. Promover a troca justa.
  10. Respeitar o ambiente tentando reduzir ao máximo o impacto que causam.
[youtube]https://youtu.be/J60mvcp_Q_E[/youtube]

São já muitas as empresas e organizações que se regem por esta ética de relação e trabalho. Para saber quais os produtos que foram produzidos sob uma forma justa de trabalho confirme se são etiquetados com o símbolo de “Fair Trade”, certificados por alguma entidade ou se transmitem informação acerca destas práticas na sua história .

Na Rebento tentamos escolher os melhores produtos com atenção ao seu método de produção pelo que ao apresentar e inserir novas marcas no mercado português procuramos falar um pouco de onde vêm, como, por quem e de que são feitos.

Porque tudo o que fazemos e usamos tem um impacto no planeta, na saúde e na família, acreditamos que esta consciência e consequência deve ser um direito positivo para qualquer um, em qualquer parte do mundo, seja qual for a sua profissão.

avatar
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
trackback

[…] começou a procurar tecidos feitos por fábricas com práticas de negócio responsáveis que partilhassem os seus princípios e valores. O seu primeiro modelo Ergobaby Original de mochila […]

trackback

[…] é um daqueles conceitos que está também a ganhar terreno de dia para dia. Através do Comércio Justo garantimos estar a adquirir produtos produzidos de forma sustentável, amigos do ambiente e, […]

trackback

[…] assim, há uma barreira chamada preço. “O valor de um produto proveniente de comércio justo e feito com materiais naturais difere de um produto convencional e é tendencialmente mais alto que […]