5 Passos para Aliviar as Cólicas do bebé – Naturalmente!

As cólicas são dos desconfortos mais difíceis de lidar num bebé, para eles e para os pais. O choro é a forma como eles comunicam e nem sempre há soluções 100% eficazes para diagnosticar e aliviar o bebé. Isso leva qualquer cuidador a sentir-se frustrado, impotente e assustado, pois nem sempre é fácil identificar que se trata efetivamente (e “apenas“) de cólicas.

Para te ajudar a identificar se trata realmente das indesejadas cólicas, consultar um profissional de saúde é sempre a recomendação principal.

Acima de tudo lembra-te que não tens culpa!

Caso as necessidades básicas do bebé estejam atendidas (como descanso, muda da fralda, fome…), podemos estar atentos a alguns sinais que podem ser visíveis como:

Choro

Um choro intenso e comum numa determinada parte do dia (normalmente ao fim do dia), inconsolável, sem nenhum factor desencadeador aparente e que os pais relatam como sendo um choro diferente do habitual, pode ser um indício de cólicas.

Postura e Movimentos

Outro sinal de cólicas pode ser ver que o bebé está a tentar fazer força enquanto arqueia as costas, fecha as mãozinhas em punho, encolhe os joelhos e o abdómen fica muito tenso.

A rejeição ao toque por desconforto, principalmente no abdómen, também pode ser um sinal de cólicas.

Gases

Ao escutar e sentir o intestino do bebé podem ouvir-se sons e sentir-se movimentos mais pronunciados.

Muitas vezes após libertarem alguns gases, o alívio é automático!

Agitação

Se notas agitação durante o dia e à noite especialmente, isso pode ser um sinal de cólicas.

Normalmente essa agitação descreve-se como uma insatisfação geral em que sentimos que o bebé não está bem, nem confortável.

Bom desenvolvimento

Um bebé que está a desenvolver-se bem, que se alimenta bem e não apresenta outros sinais e sintomas é na realidade um indicador que nos leva a considerar tratar-se de cólicas e a fazer o despiste de outras eventuais causas.

Existem alguns especialistas que usam a regra dos 3 para “confirmar o diagnóstico das cólicas” quando o bebé tem menos de 3 meses.

Se verificares estas três situações, trata-se então de cólicas:

  1. O bebé chora durante 3 ou mais horas,
  2. durante 3 dias por semana,
  3. durante 3 semanas consecutivas.

As cólicas podem ter início nas primeiras semanas de vida do bebé e durar até aos seus quatro meses ou mais.

Na maior parte dos casos devem-se à imaturidade gastrointestinal.

Mas não é a única causa; o stress também é relatado como um dos fatores causais, assim como sensibilidades alérgicas e excesso de estímulos pois tudo é uma adaptação constante na vida de um bebé.

Antes de se recorrer a qualquer intervenção, o bebé deve ser observado e acompanhado por um profissional de saúde.

A boa noticia é que, após confirmação de que se trata efetivamente de cólicas, existem várias técnicas naturais que são seguras e eficazes para o bebé, sendo o principal objetivo proporcionar-lhe o maior conforto possível.

Vamos começar por referir algumas estratégias que podem ajudar e que não passam por administrar qualquer substância no bebé:

Colo

  • Contacto pele com pele;
  • Babywearing;
  • Passeios em que um dos pais anda com o bebé posicionado no antebraço esquerdo do carregador e de barriga para baixo (para que adote a inclinação natural do termino do intestino);
  • Co-sleeping e a técnica de swaddling também poderão ser duas ferramentas a utilizar;
  • Movimento e calor são sempre um excelente recurso pelo que aqui, os banhos na banheira Shantala também poderão ajudar alguns bebés e papás, caso optem por um banho relaxante em família.

Ar

  • Apanhar ar puro e evitar a entrada de ar. Parece confuso mas os gases são ar e queremos que o bebé respire, mas não que acumule ar nos intestinos. Então o contacto com o exterior e a natureza são sempre uma ferramenta revitalizante.

Para prevenir a entrada de ar indesejado nos intestinos, uma das técnicas que se recomenda é colocar o bebé a arrotar antes e depois do momento da alimentação (quer amamente ou não).

Outros conselhos é de corrigir a pega caso amamentes (com o apoio de uma consultora de amamentação certificada ou do profissional de saúde que acompanha o bebé).

Também se deve confirmar se, caso o bebé use chupeta, ele está a adotar um método de sucção que incremente a entrada de ar.

Para ajudar à saída do ar do intestino também é muito utilizada a colocação de cânulas no reto. Não é recomendado a introdução de qualquer substância no bebé sem prescrição medica.

O dispositivo Windi ou a cânula/tubo de uma bisnaga convencional são uma grande e eficaz ajuda nesta tarefa. Por norma a aplicação do Windi faz-se depois da massagem ao abdómen do bebé.

Massagem

A massagem é um recurso utilizado para relaxar e promover os movimentos peristálticos do intestino do bebé.

Com este fim deve ser feita sempre no sentido horário dos ponteiros do relógio e com técnicas especificas e óleos seguros, naturais e próprios para o efeito.

Deve ser aplicada fora dos períodos de crise, ou seja, quando o bebé se encontra calmo e antes de mamar.

Após a massagem, podes fazer alguns movimentos com as perninhas do bebé ou exercícios de Baby Yoga e usar o Windi para libertar alguns gases. Por último, podes aplicar uma fonte de calor como as almofadas de caroços de cereja e/ou sementes.

As próximas soluções são dadas ao bebé, internamente:

Leite materno

Se o bebé estiver a ser amamentado, este será o melhor e mais natural recurso ao qual podes e deves recorrer. É muito benéfico para o bebé; e ele pode inclusive, solicitar mais maminha. O alívio vem da calma que sente e das próprias propriedades laxantes do leite materno.

Para a mãe que amamenta poderá ser importante evitar alguns alimentos em excesso, mas garantir a qualidade e variedade na sua alimentação.

Alimentos a evitar em excesso:

  • álcool (a evitar de todo!),
  • café e chás com teínas e estimulantes,
  • picantes,
  • ácidos,
  • refrigerantes,
  • fritos,
  • refinados e
  • lácteos.

O chocolate, as couves, frutos secos como o glúten e leguminosas também podem gerar alguns gases, mas o ideal é variar e não privar-se de tudo.

Remédios Naturais

Os remédios naturais serão um recurso complementar a usar após termos tentado as sugestões acima referidas. Principalmente como alternativa a soluções que se administram para o alívio das cólicas que contêm açúcar e outras substâncias prejudiciais ao bebé.

A opção mais conhecida são os probióticos e podem ser tomados pela mãe que amamenta ou pelo bebé, caso o profissional de saúde assim o recomende.

A utilização de homeopáticos, de extratos, de tinturas (por norma com base de glicerina vegetal) ou de chás (dados à mãe que amamenta) especificamente elaborados para este fim, pode ser uma alternativa a considerar, mas sempre com prescrição médica.

As plantas mais conhecidas para o efeito são a camomila, erva cidreira, hortelã-pimenta, gengibre e funcho.

Outras Opções

Outras opções que também são muito procuradas pelos pais que preferem alternativas mais naturais para o alivio das cólicas são as sessões de osteopatia e terapia crânio-sacral, o Baby Yoga, a piscina, a aplicação de emplastros no abdómen do bebé, as florais de Bach e o uso de colares de âmbar.

Acima de tudo, segue o teu instinto, oiçam o vosso bebé e confiem que são os melhores pais para eles!

A pensar nas cólicas...

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *